A CRUZADINHA NO OTÁVIO BONFIM

Marcelo Gurgel Carlos da Silva
(médico e economista em Fortaleza)

Em 1914, por ocasião do Congresso Eucarístico de Lourdes, na França, germinou a proposta da Cruzada Eucarística Internacional para responder às aspirações do Papa Pio X (papado de 1903-1914) de estimular a prática da comunhão nas crianças. O Papa Bento XV, sucessor de Pio X, na cadeira de S. Pedro, criou, em 1916, a “Cruzada Eucarística das Crianças” ou “Cruzada Eucarística Infantil”.
Depois da I Grande Guerra, a “Cruzada Eucarística Infantil” disseminou-se pelos países, inclusive o Brasil, aqui chegando na década de vinte do século XX. Em torno de 1933, a Cruzada Eucarística acumulava quase três milhões de associados, internacionalmente. Em 1968, durante o papado de Paulo VI, mas sob a inspiração de João XXIII, papa de 1958-1963, a Cruzada ganhou a denominação de Movimento Eucarístico Jovem - MEJ.
A Cruzada Eucarística Infantil começou na Igreja Nossa Senhora das Dores, no bairro Otávio Bonfim, em Fortaleza-CE, nos anos trinta, pouco tempo após a consagração dessa igreja, em 13 de junho de 1930. Popularmente conhecida por “A Cruzadinha”, ela juntava meninos e meninas, entre sete e doze anos de idade, com a intenção de acompanhar a formação dessas crianças na vida cristã, no lar e na comunidade. Era organizada pelas catequistas, sob a orientação de um frade franciscano, e contava com o suporte dos pais.
As crianças da Cruzada Infantil, quando ainda em preparação para fazer a Primeira Comunhão, pertenciam à categoria de aspirantes, que se distinguiam por usar uma pequena fita amarela com uma cruz azul anil ao centro, presa na camisa por um broche, no lado esquerdo do peito, ao nível do bolso.
Após a Primeira Eucaristia, na Igreja Nossa Senhora das Dores, os neocomungantes transferiam-se para a categoria de perseverantes, integrantes da chamada Cruzada Juvenil, notabilizados pela exibição de uma faixa, de um amarelo bem vivo, que era disposta diagonalmente no tórax, partindo do ombro esquerdo e seguindo até o quadril direito, tendo, na face anterior, a mesma cruz azul, e concluindo por duas listras de fita azul, na junção das pernas da faixa.
Os membros de “A Cruzadinha”, com os seus garbosos símbolos, participavam das missas e das procissões, e cantavam, com muito fervor, o Hino da Cruzada Eucarística Infantil.
Todavia, o fim desse movimento, em meados dos anos sessenta, como organização sócio-religiosa, foi em parte substituído pelos grupos de jovens. Esses se reuniam no Salão Santo Antônio, aos sábados pela manhã, quando, por volta das 8 horas, começavam por sessão devotada a orações, preleções bíblicas e histórias sacras. Às 10 horas, estávamos liberados para as atividades sócio-recreativas, programadas pelos frades, que incluíam jogos de mesa: damas, xadrez, dominó, ping-pong etc., e mais os jogos de futebol de salão e de areia, respectivamente, na quadra esportiva e no campo do convento.
Eventualmente, os cruzadinhas eram brindados com uma sessão de cinema no Cine Familiar, de propriedade da Ordem dos Frades Menores, sendo, então, projetados filmes de censura livre, sem qualquer restrição etária; eram principalmente comédias do tipo “O Gordo e o Magro”, “Os Três Patetas” e as encenadas por Jerry Lewis; por vezes, em certas datas celebrativas, também eram exibidos filmes de caráter religioso.

Publicado In: Força viva, 15 (159): 5, 2010. (Informativo da Paróquia Nossa Senhora das Dores, em Fortaleza-Ceará). Blog do Marcelo Gurgel.

DESCENDENTES DE TOUSSAINT E DOMINGAS. BIBLIOGRAFIA

Espalhados em bibliotecas especializadas no Brasil, podem ser encontrados exemplares das seguintes obras sobre o assunto: 
AMARAL, Aldysio Gurgel do - "Na Trilha do Passado"
AMARAL, Edelweis Campos - "Paraty, Caminho do Ouro"
AMARAL, Miguel Santiago Gurgel do - "Porteiras e Currais"
GURGEL, Luiz Heitor do Amaral - "Uma Família Carioca do Século XVI",
"Paraty, Caminho do Ouro"
LARANJEIRA, Joaquim - "Bento Gurgel"
LEME, Luiz Gonzaga Silva - "Genealogia Paulistana"
MELO, Cônego Geraldo do Amaral - "Informação sobre o ramo da família Amaral
Gurgel em São Paulo"
PEIXOTO, Afrânio - "Igreja de Nossa Senhora da Glória do Outeiro do Rio de
Janeiro"
RHEINGATZ, Carlos G - Descendência dos XVIII Primeiros Povoadores do Rio de
Janeiro
SILVA, Marcelo Gurgel Carlos da - "Otávio Bonfim, das Dores e dos Amores - Sob o Olhar de uma Família"
TAUNAY, Afonso D'Escragnolle - "História das Bandeiras Paulistas"
PUPO, Celso Maria de Mello - "O Visconde Anfitrião de Suas Majestades". In: Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro - Anais do Congresso de História do II Reinado - Comissão de Genealogia e Heráldica - 1984
Lista organizada a partir de um levantamento bibliográfico feito por Ricardo Nogueira de Castro Monteiro para o site Rootsweb. Modificada.

O ENGENHEIRO QUE VIROU BAIRRO

Em 1922, a Rede Viação Cearense (RVC) inaugurou uma de suas estações no quilômetro 3 da linha férrea Fortaleza-Crato. Algum tempo depois, a estação recebia o nome de Otávio Bonfim, em homenagem a um dos engenheiros da RVC. A região de Fortaleza que se desenvolvia em torno dessa estação logo passou a ser chamada de bairro Otávio Bonfim. E a mudança de sua designação para Farias Brito (o nome de um filósofo cearense), apesar de ter caráter oficial, até hoje não "pegou".
Ao lado, uma autêntica raridade: a reprodução de uma fotografia do Engenheiro Otávio Bonfim.

AS CAÇADAS DE PAULINHO

É uma fotografia que já tem meio século. Nela apareço exibindo o "troféu" de uma das minhas caçadas no Sítio Catolé, em Senador Pompeu.
Brincadeira, o que faço nela é pegar uma carona no sucesso que tio Edmar (também na foto) alcançava como hábil caçador. Era ele quem caçava os marrecos, os paturis e as galinhas d'água que povoavam o sítio de tia Olímpia e tio Raimundinho. Carregando sua temível espingarda com uns cartuchos - que ele mesmo fabricava - com espoleta, pólvora, bucha e chumbinho.
Numa dessas caçadas, ao nadar até o meio do Açude Novo para pegar uma ave que caçara, ele quase morreu afogado. O tio calculou a distância a nadar... só de ida, foi esse o problema.

SETEMBRO DE 2010

  • No dia 11, a festa dos 80 anos da matriarca Elda Gurgel e Silva (ver uma nota anterior no blog), que aconteceu no salão de festas do Edifício Spazzio Maranello. 
  • Aniversariantes de OUTUBRO: as irmãs gêmeas Diana e Marina (10), filhas de Luciano e Elsa, e Marília (13), neta de Sérgio e Solange.