O CRIADOR DE CAPOTES

Certa vez, um paciente em sua consulta de retorno me presenteou com dois capotes. No Nordeste brasileiro, pessoas oriundas da zona rural demonstram sua gratidão aos médicos trazendo-lhes algum mimo.
Sabendo que ele ficaria magoado com a minha recusa em recebê-los, aceitei-os.
Capote é bicho que tem uma vastidão de sinônimos: galinha d'angola, cocá, guiné, pintada. E até "tô-fraco", em alusão ao som que eles incessantemente emitem.
Vinham numa caixa com orifícios servindo de respiradouro. Desamarrei-lhes os pés e soltei-os no quintal de casa (para adiante resolver o que faria com eles).
A presença deles foi uma festa para meus filhos que ainda não conheciam tal tipo de galináceo. Certamente ninguém ali pensava em comê-los.
E foi o primeiro dia e fez-se noite. Na madrugada do segundo dia, fui despertado com guinchos estridentes que vinham do jardim, das áreas laterais da casa e do quintal.
Não consegui mais dormir. Tendo ali aprendido a duras penas que, além de vocalizar aquele "tô-fraco" conhecido, o capote, qualquer capote, utiliza-se de uma segunda língua no período do alvorecer.
E foi o segundo dia e fez-se noite. Na madrugada do terceiro dia, mais guinchos aconteceram que me acordaram. Desta vez, começaram mais cedo e eram mais fortes.
Havia, como pude verificar a seguir, uma justificativa para o recrudescimento. A cantoria estava sendo reforçada pela participação de um terceiro capote que chegara voando das redondezas.
Não! Eu não ia fazer o papel de um insone criador de capotes. E decidi que iria doá-los a quem tivesse reais condições de criá-los. Lembrei-me de Ronaldo, um concunhado meu. Em sua chácara no Eusébio, Ronaldo criava muitos tipos de aves (inclusive capotes).
Ele concordou em ser o fiel depositários dos meus capotes, embora me alertasse para uma certa dificuldade. Para trazê-las, eu teria antes de capturá-los. "No sertão, eles pegam esses bichos para a panela é com tiros."
De fato, eles eram muito mais velozes do que eu havia calculado. Em campo aberto, nem com o Usain Bolt me ajudando aquela captura teria sido possível. Então, montei um plano com a casinha de cachorro do quintal no centro da estratégia. E persegui os capotes até que estes buscassem refúgio no pequeno cômodo transformado em armadilha. Tranquei o portão. e aí ficou fácil.
Deixados no Eusébio, não me perguntem agora como os capotes estão. Pelo tempo em que essa história se passou, não devem mais estar vivos. Mas desconfio que eles não devem ter morrido de morte natural.
N.A. -- Acredito que também teria resolvido o problema com a técnica mostrada no vídeo abaixo. PGCS

COMENTÁRIOS a esta nota de José Maria Chaves, Francisco Wilson Ramos Botelho, Maria Auxiliadora Barroso e Antonio Macedo Pinto.

5 comentários:

Paulo Gurgel disse...

De: José Maria Chaves
04:27 (há 56 minutos)
Para: mim (por e-mail)
Somente me assiste o dever de dizer-lhe MUITO OBRIGADO, pela bela "página literária" que se constitue o seu "blog", tão ilustre quão ilustrado, responsável, nesta madrugada de hoje (28 de maio de 2018), pelo inicio de um belo dia.
José Maria Chaves
PS:- Retornamos ontem a noite da cidade de Ipu, onde e quando participamos (integrantes da ACEMES), por dois dias, do congraçamento das Academias (a anfitriã Academia Ipuense de Letras, Ciências e Artes, Acad. de Crateús, Acad. de Tianguá e a "nossa" Academia Cearense de Médicos Escritores).

Paulo Gurgel disse...

De: Francisco Wilson Botelho Ramos
14:06 (há 2 horas)
Para: mim (por e-mail)
Boa tarde, Paulo Gurge.
Em Mossoró, onde passei uma temporada, capote era guiné, não sei o motivo.
É saboroso ao molho pardo.
Abraços.
Wilson Ramos

Paulo Gurgel disse...

Grato a José Maria Chaves e a Wilson Ramos por seus comentários.
Wilson,
Em língua inglesa, o capote (Numida meleagris) é conhecido por "guineafowl", o que talvez seja o ponto de partida para uma pesquisa a respeito desta ave ser também chamada guiné.

Paulo Gurgel disse...

De: Auxiliadora Barroso
22:19 (há 17 horas)
Para: mim (por e-mail)
Pobres capotes...
Auxiliadora Barroso

Paulo Gurgel disse...

De: Antonio Pinto
12:04 (há 4 horas)
Para: mim (por e-mail)
Estimado Paulo,
Li, atentamente, os textos de "O Criador de Capotes", "De Deodoro para a Princesa Isabel", "Casa de Rodolfo Teófilo", "Casa de Chico Anísio" e o "Casamento de Moacir e Lara".
Muito grato por sua lembrança e fico no aguardo de novos textos.
Cordialmente o meu forte abraço.
Antônio Pinto