PARTIU FORTALEZA!

10/06/2018 - 8.º dia
O dia em que voltamos para Fortaleza começou com um problema: não ouvimos o toque do despertador do telefone celular. Acordando mais tardiamente, ficamos com pouco tempo (1/2 hora) para o café da manhã e a rotina do check out no hotel. Felizmente, tínhamos deixado as malas já devidamente arrumadas.
O transfer do hotel nos levou ao terminal 4 do Aeroporto de Madri, onde embarcamos em um voo da Ibéria para Lisboa.
Em Lisboa, o Banco do Fuso Horário nos devolveu de imediato 1 hora. Mas faltava a devolução do IVA (Imposto de Valor Agregado) recolhido nos produtos que adquirimos em nossa estada no exterior. A tal tax free. Para isso, os aeroportos dispõem de uma estrutura complexa que envolve a aduana (que fiscaliza os produtos e carimba os formulários), balcões de devolução e casas de câmbio.
Normalmente vista em adesivos nas vitrines de lojas no exterior, a expressão "plus tax" (taxa a mais) ou “tax free” indica que parte dos impostos que compõem o preço dos produtos poderá ser devolvida aos clientes que não residem naquele país. É isso mesmo: a taxa extra pode ser recuperada no momento em que você estiver voltando para casa, mas exige certa organização e disposição do turista. Confira, na sequência, como conseguir essa graninha extra.
[https://viagem.uol.com.br/listas/aprenda-como-receber-o-tax-free-de-suas-compras-no-exterior.htm]
Recuperamos uns euros, mas perdemos muito tempo. E este fato, junto com alguns entraves aeroportuários, como a longa fila do check in e a incerteza quanto ao portão de embarque, fez com que cancelássemos o plano de pegar um táxi, passear e almoçar em Chiado / Bairro Alto, e voltar a tempo do voo para Fortaleza.
Portanto, adeus Tágides.
As tágides são as ninfas do rio Tejo (em latim, Tagus) a quem Camões pede inspiração para compor sua obra Os Lusíadas. São uma adaptação das nereidas da mitologia greco-romana, as ninfas que vivem nos mares e nos rios.
[https://www.matraqueando.com.br/lisboa-bairro-a-bairro-chiado-e-bairro-alto]
[https://pt.wikipedia.org/wiki/T%C3%A1gides]
Neste voo, conhecemos uma moça residente no Cariri. Ela nos relatou haver passado por uma experiência desagradável em Portugal. Três dias atrás, ao viajar para a Itália (onde vive uma irmã), ela teve a entrada recusada em Lisboa. A seguir, com o passaporte retido, ela foi colocada num alojamento onde conheceu outros brasileiros em situação semelhante. O motivo da recusa, segundo as autoridades portuguesas, era por estar voltando como turista para a Itália, antes de decorridos três meses da saída anterior. E as autoridades encarregaram-se de marcar o seu voo de volta para o Brasil, sendo o seu passaporte devolvido somente quando chegou a Fortaleza.
Importante - Fui sexagenário, voltei septuagenário. Só posso atribuir isso a um desequilíbrio orgânico provocado por transgredir a Lei de Aldrin que trata dos fusos horários.
---------------------------------------------------------------------------------------
Para compensar as incompletudes das minhas crônicas sobre Lisboa, compartilho com vocês este poema de Winston Graça, colega, poeta e editor chefe do blog Saco de Gato.
Lisboa, fevereiro de 2017
A Olisopo romana continua a mesma com seu encanto e beleza.
A Ushbuna árabe está viva e famosa nos fados d’ Alfama.
A Lisboa atenta continua sob a mira do Castelo de S. Jorge.
A Lisboa de Pombal continua a se refazer linda como um madrigal.
A Lisbon inglesa corre nos belos gramados da realeza no Parque Edward VII.
A Lisboa contrita se ajoelha aos altares dos Jerônimos onde o Portal da Anunciação pode ter inspirado Gaudí.
A Lisboa gastronômica baba de gosto nos pastéis de Belém.
A Lisboa de outras eras passeia fagueira na Praça do Comércio.
A Lisboa namoradeira se beija brejeira à beira do Tejo.
A Lisboa de outrora se mira altaneira na Rua d’Aurora.
A Lisboa gastadeira faz compra ligeira na Rua Augusta.
A Lisboa blasée matou de inveja os Champs Elisées na Avenida da Liberdade.
A Lisboa de Pessoa faz selfies poéticos no A Brasileira.
A Lisboa das Exposições se constrói exuberante no Parque das Nações.
A Lisboa Calatrava floriu radiante na Estação Oriente.
A Lisboa culta desafiou o Louvre no Museu Gulbenkian.
A Lisboa de antão admira seus heróis em seu Panteão.
A Lisboa fidalga admira seus luxos no Museu dos Coches.
A Lisboa estrangeira é bem acolhida no aeroporto.
A Lisboa cidade tem o mesmo significado da palavra saudade.

MADRI CENTRO E TOLEDO

09/06/2018 - 7.º dia
Pela manhã, refazendo o percurso da viagem metroviária de ontem, retornamos ao centro de Madri.
Elba entrou no El Corte Inglés para dar início a seu passatempo favorito quando viaja: olhar e comprar roupas, bolsas e perfumes. E eu, conforme o planejado, tomei o rumo da Carrera de San Jerónimo. No dia anterior, havia conferido que, percorrendo esta rua, eu chegaria ao Museo Nacional del Prado. Ao cabo de uma caminhada de, no máximo, 15 minutos.
Ficou acertado, sob os olhar da Vênus La Mariblanca, de nos reencontrarmos às 13 horas, na Praça da Porta do Sol, para um passeio na cidade de Toledo.
O Prado impressiona tanto pelo tamanho e beleza de sua instalações quanto pelo vasto acervo de obras de arte que o museu apresenta. É o 18.º museu mais visitado do mundo. Eu tinha três horas para visitá-lo (o que muita gente faz em dois dias).
Foto 1 - O blogueiro no salão de entrada do Museu do Prado. Ao fundo, a escultura "La defensa de Zaragoza: guerra de independencia", de Cubero (1768-1827), a qual mostra um velho ferido amparado pelo filho.
No edifício Jerónimos  do Museu do Prado, por onde iniciei a visita, vi suas três exposições temporárias: "Rubens, pintor de bocetos" (uma mostra que reúne 80 esboços pintados pelo genial pintor flamengo Pedro Paulo Rubens); "In lapide depictum" (pintura italiana sobre pedra do período 1530-1555) e as esculturas de Leone e Leoni expostas no belíssimo Claustro do edifício. Em seguida, passei ao edifício Villanueva em que estão as mostras de pinturas espanhola, alemã, francesa, flamenga, italiana, britânica e holandesa, de artes decorativas e esculturas, onde pude apreciar obras de Greco, Goya, Velásquez, Rafael, Ticiano, Tintoretto, Durero, El Bosco, Rubens e tantos outros.
Reservei um tempo especial para admirar três trípticos de H. Bosch (El Bosco). A propósito: ver a nota O mundo é um carro de feno..., que publiquei recentemente no blog EM.
No início da tarde, enquanto esperávamos pelo "Busvision" que nos levaria a Toledo, percebemos um certo frenesi pela praça. Eram cerca de 50 ciclistas nus (lamentavelmente homens) que pedalavam pela Calle Mayor. Não sei se faziam algum protesto ou se apenas curtiam mostrar em público suas estrovengas. Um dos ciclistas carregava nas costas um cartaz com a frase NO GAS TOXIC. No cartaz, uma vistosa seta apontava para o respectivo fiofó.
Foto 2  - Uma das fotos que fiz do happening. Não existe pecado no lado de cima do equador.
Foi uma viagem de encher os olhos por terras da Espanha, e chegamos a Toledo por volta das 15 horas. Na entrada da cidade, há um estacionamento rotativo para que os ônibus despejem as hordas de turistas. A partir deste ponto, sobe-se a pé por uma ladeira suave e completa-se a subida por uma sequência de seis escadas rolantes. A cidade histórica está localizada no topo de uma montanha, com uma vista de 150 graus e rodeada em três lados por uma curva do rio Tajo (que muda de nome para Tejo em Portugal).
Entramos na Plaza de Zocodover, a praça principal da cidade, onde muitos eventos e celebrações são realizados. Acompanhando o guia, passamos a percorrer as ruas da histórica Toledo onde se veem muitas lojas com o artesanato toledano (a cidade tem uma longa história na produção de armas brancas), restaurantes, templos das três religiões abraâmicas, museus, puertas disso e daquilo. Mas a atração principal é mesmo a Catedral Primada.
Foto 3 - Enfim juntos (clicados pelo guia turístico), em frente à famosa Catedral de Toledo.
Outras informações - Quando foi possível, nós matamos a fome com grandes sanduíches de jamón serrano (um presunto típico da região). O tour panorâmico em torno da cidade que a empresa de turismo nos propiciou foi um bônus maravilhoso. Deixamos Toledo por volta das 20 horas, mas o dia ainda estava claro.
Toledo é conhecida como a "Cidade Imperial" por ter sido o principal local da corte de Carlos V, Sacro Imperador Romano, e como a "Cidade das Três Culturas" pelas influências culturais de cristãos, muçulmanos e judeus refletidos em sua história. Foi também a capital de 542 a 725 do antigo reino visigótico, que se seguiu à queda do Império Romano. Por sua extensa herança monumental e cultural, Toledo foi declarada Patrimônio da Humanidade pela UNESCO em 1986.
E chegamos às 10 da noite no hotel, tendo ainda que arrumar a bagagem.

MADRI: CENTRO E TOUR PANORÂMICO

08/06/2018 - 6.º dia
O metrô nos leva de Barajas ao centro da Comunidad de  Madrid por esta sequência de linhas:
 8 de Barajas, no sentido de Nuevos Ministérios, até a estação de mesmo nome;
- 12 de Nuevos Ministérios, no sentido de Puerta del Sur, até Tribunal e
 1 de Tribunal, no sentido de Valdecarros, até Puerta del Sol.
A Plaza de la Puerta del Sol (Praça da Porta do Sol) é o centro do centro do centro de Madri. Nesta famosa praça, estão a Casa de Correos, a pedra do Quilômetro Zero (que é o ponto de partida para seis estradas nacionais da Espanha) e também três monumentos históricos: a estátua equina do rei Carlos III (foto 1), uma reprodução da vênus Mariblanca e El Oso y el Madroño.
[https://theculturetrip.com/europe/spain/articles/the-top-10-things-to-do-and-see-in-puerta-del-sol-madrid/]
A famosa praça é também o lar do símbolo mais famoso da capital espanhola: uma estátua de 20 toneladas de um urso a festejar os frutos de uma árvore (foto 2). Recebe seu nome do nome original de Madri : "Ursaria", que significa "terra dos ursos" em latim. Segundo a lenda, havia um grande número de ursos nas florestas adjacentes, que, juntamente com o medronheiro, eram o símbolo da cidade desde a época medieval.
O céu nublado, dificultando as fotografias exteriores, com um chuvisco intermitente num centro comercial onde as marquises são pouco frequentes atrapalha a vida de qualquer turista. Acabei comprando um paráguas barato de um vendedor ambulante com cara de filipino depois de haver sofrido com a  insistência de outros vendedores.
Elba andou em lojas de souvenirs, na Zara da Gran Vía e no El Corte Inglés. E eu perambulei por ruas, avenidas e praças: Calle de Alcalá, Carrera de San Jerónimo, Plaza de las Cortes (onde fica um monumento em homenagem a Miguel de Cervantes), Fonte de Netuno, Gran Vía e Calle Mayor, entre outras.
No Museo Nacional del Prado, apesar da chuva fina, formava-se uma fila de dobrar quarteirão.  Voltaria amanhã, prometi a mim. Hoje eu fora ali só para aprender o percurso da Porta do Sol até o museu.
Aqui o cardápio do nosso almoço na Taberna La Soleá, na Mesoneros Romanos: paella mixta (atacada frontalmente e pelos flancos por Elba) e almôndegas com fritas.
À tarde, adquirimos os bilhetes para um tour panorâmico por Madri com início no Mercado de San Miguel e que durou cerca de duas horas.
O passeio de ônibus turístico permite descobrir os lugares que nenhum visitante deve perder em um roteiro que percorre a Madri histórica, onde estão localizados os mais emblemáticos e representativos lugares e ícones da cidade, como a Puerta del Sol, a centenário Gran Vía, a Plaza de la Cibeles e o Paseo del Arte, entre outros, até chegar à moderna e cosmopolita cidade de Madri, com pontos de interesse os mais diversos, como o Estádio Santiago Bernabéu, do Real Madrid.
Na Porta do Sol há também guias que se oferecem para conduzir pequenos grupos de turistas em passeios pelo centro histórico da cidade.
Em Madri, a gente se depara com solistas e conjuntos musicais  se apresentando nas ruas, praças e no metrô, em geral muito bons. Dou destaque a estes tocadores de címbalos da Praça Porta do Sol.

MADRI: BARAJAS

07/06/2018 - 5.º dia
Chegamos a Madri pelo terminal 4 do Aeroporto Adolfo Suárez. Há quem diga que é uma prova de infelicidade a pessoa ser contemplada com o desembarque neste terminal. Explico: o T4 (e o T4 satélite, então nem fala) fica  meio afastado dos terminais 1, 2 e 3. Numa terra em que a corrida de táxi não é lá tão barata...
[https://www.espanhatotal.com/os-terminais-t4-e-t4s-do-aeroporto-de-barajas-em-madri/]
Mas isso não foi problema para nós que contamos com o eficiente serviço de transfer do Íbis para nos levar do aeroporto ao Hotel Barajas.
Barajas - Este distrito da capital espanhola tem sua origem na Villa de Barajas, que formou o município de Barajas, o qual, com a construção do Aeroporto de Madri-Barajas (foto), se juntou finalmente ao município de Madri no ano de 1949. Em seu desenvolvimento econômico e social, Barajas tem recebido uma forte influência positiva do complexo aeroportuário que se encontra nele instalado.
Utilizamos a tarde de hoje para um reconhecimento da região em que pisávamos. Barajas tem um diversificado comércio, muitos restaurantes, hotéis, pousadas, casas de apostas, cassinos... Aliás, esse negócio de apostar está na alma do espanhol. A gente vê Loterías y Apuestas del Estado por todos os lugares. E não é á toa que "El Gordo", a loteria do Natal, chega a arrecadar algo que equivale a 0,3% do PIB da Espanha.
Andar e pedir informações, é o nosso lema. A pergunta do dia: saber como ir à estação mais próxima do metrô, um conhecimento imprescindível a quem pretende conhecer Madri. Em Barajas, o metrô da cidade se faz presente com duas linhas, a 5 (verde) com 2 estações e a 8 (rosa) com 4 estações.
[http://agendadeocio.es/madrid/reportajes/plano-metro-madrid-alternativo/]
A Logroño é a avenida dos restaurantes. Comemos no Okela, que é um de seus restaurantes, umas brochetas de pollo con verduritas e um lomo de vaca nacional (virem-se com o Tradukka).
Quanto ao Ibis Madrid Aeropuerto Barajas, fica na Avenida General. O hotel é vizinho a um supermercado da rede Hiber (o que facilita aos hóspedes a compra de suprimentos).
Li na internet que uma das demandas das pessoas que vivem em Barajas diz respeito ao barulho produzido pelos aviões. Apesar de estarmos hospedados a 1,8 km do terminal 4 (segundo o Google Maps), em nenhum momento nos sentimos incomodados por seus grandes pássaros.
E fomos dormir muito cedo. Acho que eu sou sensível ao jet lag até mesmo de uma ponte aérea.

PORTUGAL: PENÍNSULA DE SETÚBAL

O6/06/2018 - 4.º dia
Cedo, tomamos o metrô até a Estação do Oriente e, ao lado desta na estação rodoviária local, pegamos um ônibus interurbano da Transportes Sul do Tejo (TST, linha 431) com destino ao município de Alcochete, que fica na área metropolitana de Lisboa. A viagem rodoviária foi também a oportunidade de percorrer a grandiosa Ponte Vasco da Gama, já que ela se encontra na rota desta linha de ônibus da TST. A Vasco da Gama foi uma obra construída como alternativa à congestionada Ponte 25 de Abril.
A Ponte Vasco da Gama é uma ponte estaiada sobre o estuário do rio Tejo, na área da Grande Lisboa, ligando Montijo e Alcochete a Lisboa e Sacavém. Com os seus 12,3 km de comprimento é a mais longa ponte da Europa Ocidental e a segunda mais longa da Europa. Foi inaugurada em 29 de março de 1998, dois meses antes da abertura da Exposição Mundial. O seu nome comemora os 500 anos da chegada de Vasco da Gama à Índia, ocorrida em maio de 1498.
[https://pt.wikipedia.org/wiki/Rio_Tejo]
Era objetivo de Elba fazer compras no Freeport. Quanto a mim, apenas passar algum tempo neste outlet (que é o segundo maior da península ibérica) e, em seguida, ir a Setúbal. Então, tomei outro ônibus (linha 413 da TST) que me levou a esta cidade, enquanto Elba ficou se vendo com suas compras.
O Freeport Lisboa Fashion Outlet foi inaugurado em 2004 e está localizado a 30 minutos de Lisboa, em Alcochete. Possui uma vasta gama de lojas de vários tipos e é um grande chamariz para os turistas que visitam Portugal por ter lojas de marcas de luxo. Alcochete é uma vila portuguesa do distrito de Setúbal, região de Lisboa e na sub-região da Península de Setúbal, com cerca de 10 700 habitantes.
A cidade de Setúbal é a capital do distrito de Setúbal que reúne 13 municípios, dentre os quais Palmela, Montijo e Alcochete. Na viagem para esta capital, que durou cerca de uma hora e um quarto, o ônibus passou por várias cidades e vilas que me pareceram atraentes e bem cuidadas. Desci na rodoviária, que fica no centro de Setúbal, para dar início ao que seria uma boa caminhada.
Este selfie, por exemplo, foi tirado no Parque do Bonfim. No qual havia um restaurante em que pelas tantas entrei para comer uma fatia de torta de laranja com café. E pedir informações.
- Aqui tem wi-fi?
- São só 5 euros.
- Qual é a senha?
- Tudo junto: saoso5euros.
A conta do lanche teve o valor aparentemente inspirado nesta senha. E eu saí do restaurante com o esboço de um mapa que um gajo muito prestativo desenhou num guardanapo de papel. Era o caminho para que eu chegasse à Casa do Bocage, o que não chegou a acontecer.
Na verdade, a maioria das pessoas que eu abordei em Setúbal desconhecia a existência da tal Casa. Sabiam me indicar, o que faziam com lusitana cortesia, onde ficava a Praça ou Largo do Bocage, o nome do filho mais célebre da cidade.
Manuel Maria Barbosa du Bocage (1765 - 1805) foi um poeta português. Escrevendo no início de sua carreira sob o pseudônimo de Elmano Sadino, ele empregou todos os recursos literários e deixou sua marca em tudo: em seus epigramas espirituosos, suas sátiras rigorosas e persuasivas, suas odes muitas vezes cheias de nobreza. Mas a sua fama repousa principalmente em seus sonetos, que quase rivalizam com os de Camões no poder, elevação de pensamento e terna melancolia, embora não tenham o refinamento erudito do último. O centenário de sua morte foi ali observado com muita circunstância em 1905. Talvez por causa da pura rudeza de alguns dos seus versos, Bocage é ainda hoje uma figura genuinamente popular, e não apenas em Setúbal. A subversividade de seus poemas fez com que, por muitos anos, eles não estivessem (oficialmente) disponíveis em Portugal e sua poesia erótica foi publicada pela primeira vez, anonimamente, no final do século XIX.
[https://en.wikipedia.org/wiki/Manuel_Maria_Barbosa_du_Bocage ]
O centro histórico e comercial de Setúbal é em grande parte formado por ruas estreitas e inacessíveis aos carros. Depois de andar por elas conjeturando-lhes uma origem medieval, cheguei à Praça do Bocage. Nesta, em 1871, foi erguido um monumento ao poeta junto ao qual (a coisa homenageante, bem entendido) eu tirei alguns selfies.
Nisso, vi algo que também me interessou na referida praça: o Botequim du Bocage.
Por fora, sendo como você vê na foto acima, e internamente, todo decorado com frases e imagens alusivas a Bocage, o botequimdubocage (tudo junto) foi o local em que entrei a seguir. Desta vez para comer uma bifana (uma espécie de sanduíche de carne de porco) e uma sopa de legumes.
Foi legal o passeio, pá!  Mas já estava quase no horário do ônibus que me levaria de volta para Alcochete, onde Elba certamente tinha concluído suas compras.
Acredito que uma praça + um monumento + um botequim tenham sido uma boa compensação pela casa que não foi encontrada.
(a continuar: ESPANHA)
Na seção de comentários desta postagem: MARIA AUXILIADORA BARROSO.

LISBOA: PARQUE DAS NAÇÕES

05/06/2018 - 3.º dia
O metrô de Lisboa é composto de quatro linhas com 56 estações. Acessando-o pela Estação Saldanha, utilizamos a linhas vermelha (principalmente) e a azul em nossos deslocamentos pela cidade.
Para quem vai ao Oceanário, Parque das Nações, Pavilhão do Conhecimento, Teleféricos, Shopping Vasco da Gama e Avenida Dom João II  a grande referência é a Estação do Oriente, na linha vermelha. Ao lado desta encontra-se também a Gare do Oriente, estação intermodal que inclui uma das rodoviárias interurbanas da cidade (a outra é a de Sete Rios).
Sobre o Oceanário, comecemos por dizer que é uma visita imperdível. Localizado no Parque das Nações, este vasto aquário é uma das atrações mais populares da cidade. Funciona com uma exposição permanente e outra temporária. Merece várias horas de visita pois tem muito o que ver (foto).
O aquário tem mais de 4 milhões de litros de água com 8 mil espécies marinhas, bem como quatro exposições permanentes que ilustram a vida em diferentes climas, incluindo aves, peixes, anfíbios e mamíferos. Além de admirar os animais, os visitantes também podem desfrutar de visitas guiadas com explicações sobre a vida no mar, visitar uma sala subaquática transparente cercada por tubarões.
No Parque das Nações funciona também o Teleférico de Lisboa. Margeando o rio, embarcados numa de suas cabines. tivemos uma vista deslumbrante do Tejo, da Ponte Vasco da Gama e do calçadão arborizado, aka Rua da Pimenta, com seus inúmeros restaurantes.
No D'Bacalhau, atendidos por um garçom bengalês, comemos um bacalhau ao Brás e outro a Gomes de Sá. E bebemos uma sangria de vinho branco que me fez esquecer temporariamente que eu sou avesso a vinhos. Exultante em poder usar o WhatsApp, o que não vinha conseguindo fazer na área do hotel, Elba aproveitou para atualizar as conversas.
Por fim, fomos ao Shopping Vasco da Gama. Na esplanada do shopping, onde fui ter casualmente, tive a curiosidade despertada para um homem conduzindo um grande falcão numa mão enluvada. Em dado momento, ele soltou a ave de rapina que voou na direção de um grupo de pombos. A debandada foi geral. E deu para ler o que estava escrito em sua jaqueta: Controle de Pragas.

LISBOA: TOURS PANORÂMICOS

04/06/2018 - 2.º dia
Na recepção do hotel compramos bilhetes para dois tours panorâmicos em Lisboa, cobrindo 21 e 22 pontos de interesse, sendo os principais: Campo Pequeno (Praça de Touros), Parque Eduardo VII, Docas, Torre de Belém, Cais do Sodré, Rua do Comércio, Bairro Alto, Chiado, "El Corte Inglés" (Shopping).
Na hora aprazada nos dirigimos para a Praça Marquês de Pombal. É dessa praça que partem os coloridos ônibus de dois andares destinados à atividade do sightseeing.
Nos tais pontos de interesse o turista quase sempre não desce para visitá-los. A menos que queira esperar a passagem do ônibus seguinte que esteja na mesma rota, o que poderá demorar bastante tempo. Não há um guia ao vivo para prestar informações (pelo menos, naquele ônibus que utilizamos). No início da viagem, o turista recebe uns fones descartáveis de ouvido para escutar uma gravação de fados, aqui e ali interrompidos por uma curta informação em inglês sobre o ponto turístico em que o ônibus está passando.
Almoçamos no fim da tarde no Coringa, um restaurante simples na Avenida República, próximo da Praça Marquês de Pombal. O garçom era todo preocupado em saber se estávamos a gostar dos pratos que havíamos pedido. No caso, bacalhau cozido com grãos de bico (foto) e picanha em tiras.
Em seguida, fomos de metrô ao Aeroporto da Portela com a finalidade de adquirir os bilhetes dos voos de ida para Madri (7) e volta para Lisboa (10) pela Ibéria. Comprados no balcão de atendimento ao cliente em Lisboa, saíram bem mais caros do que se houvéssemos comprado-os com uma maior antecedência no Brasil.
Acometido de uma forma análoga da "maldição de Montezuma", que eu atribuí a um "natão" consumido na véspera quando íamos ao Gulbenkian, convenci a mulher para não sairmos à noite. E aproveitei para: 1) tirar minhas dúvidas na internet de algumas atrações turísticas vistas durante os passeios de ônibus, sem saber exatamente do que se tratavam e 2) rascunhar esta nota em meu intimorato notebook.

PORTUGAL, MEU AVOZINHO

Portugal é o estado mais antigo da Península Ibérica e um dos mais antigos da Europa. Nos séculos XV e XVI, Portugal estabeleceu o primeiro império global, tornando-se uma das maiores potências econômicas, políticas e militares do mundo.
O território de Portugal inclui uma área na Península Ibérica (referido como o continente pela maioria dos portugueses) e dois arquipélagos no Oceano Atlântico: os arquipélagos da Madeira e dos Açores.
Portugal continental é dividido pelo seu rio principal, o Tejo, que flui da Espanha e desemboca no estuário do Tejo, em Lisboa, antes de fugir para o Atlântico. A paisagem setentrional é montanhosa em direção ao interior, com vários planaltos recortados por vales fluviais, enquanto o sul, incluindo o Algarve e as regiões do Alentejo , é caracterizado por planícies onduladas.
De acordo com o International English Proficiency Index , Portugal tem um alto nível de proficiência em inglês, maior do que em países como Itália, França ou Espanha.
03/06/2018 - 1.º dia
Por volta das 10 horas (em hora local) chegamos a Lisboa. À saída do aeroporto, tivemos que enfrentar uma longa fila para pegar o táxi que nos levaria ao Hotel Ibis Saldanha. Situado na Avenida Casal Ribeiro, a duas quadras da praça Duque de Saldanha, no centro de Lisboa, este hotel da rede Íbis nos pareceu agradável e seus funcionários atenciosos.
A Duque de Saldanha é uma pequena praça circular que (me fez lembrar as características da Praça Portugal, em Fortaleza). Fica no cruzamento da Avenida República com a Avenida Praia da Vitória, além de receber a confluência da Avenida Casal Ribeiro, do hotel em que estávamos.
Considerado uma das figuras de destaque do século XIX, evidenciou-se como militar participando, nomeadamente, nas guerras napoleônicas, liberais e nas guerras no Brasil. Apesar de revestida de alguma controvérsia, a sua personalidade fez-se sentir em áreas como a política, a diplomacia e as ciências naturais. Da autoria de Tomás Costa com pedestal de Ventura Terra, a peça organiza-se no diálogo entre o bronze e a pedra. A figura alegórica feminina do pedestal, em bronze, representa a vitória alada consubstanciada no empunhar de uma espada.
Tínhamos programado que àquela tarde iríamos ao Museu Gulbenkian, Meu irmão Marcelo, que já esteve por lá em duas oportunidades, recomendou-me muito a visita. E, para tanto, fizemos uma caminhada de cerca de 2 km, tornada agradável por uma temperatura amena e sem chuviscos.
O Museu Gulbenkian tem menos de 50 anos, mas tem muitos tesouros de épocas antigas e fascinantes. Seu nome é uma homenagem ao magnata do petróleo Calouste Gulbenkian, nascido na Turquia, um grande magnata do petróleo e amante da arte. Ao longo da vida, ele criou uma coleção de 6 mil obras de arte muitas das quais ele doou a Portugal. Estas obras estão no museu e incluem estátuas do Egito, pinturas de artistas europeus como Rubens e Rembrandt, além de delicadas exibições de porcelana da China. Você pode visitar o museu por um dia inteiro para ver e apreciar todas as obras e desfrutar de um universo cultural multifacetado em um só lugar. Além da coleção do fundador o museu realiza exposições temporárias e dispõe de uma biblioteca dos livros publicados  sob o patrocínio da Fundação Gulbenkian.
Finda a visita, sentamo-nos a uma das mesas da cafeteria local para comer bolinhos de bacalhau e uma sopa de legumes. E, no caminho de volta, paramos em um misto de supermercado e drogaria para comprar umas alperces.
Cansados da viagem, esperas nos aeroportos e, principalmente, dos efeitos em nós provocados pelas mudanças nos fusos horários, fomos dormir ainda cedo. Depois de termos jantado uma Pizza Royale no kitchen lounge do hotel.
Igualmente conhecidos como damascos, a denominação "alperce" vem do latim praecox, que significa precoce, já que este é um dos primeiros frutos a anunciar o verão.
[https://www.pingodoce.pt/escola-de-cozinha/ingredientes/alperce-mil-e-um-usos/]
----------------------------------------------------------------------------------------
PORTUGAL, MEU AVOZINHO (Como foi que temperaste, / Portugal, meu avozinho, / Esse gosto misturado / De saudade e de carinho?) é o título de um poema de Manuel Bandeira que foi musicado por Ary Barroso. Estava previsto que seria gravado por Silvio Caldas, o que não chegou a acontecer. Por ocasião do centenário de nascimento de Bandeira, o baiano Moraes Moreira deu a este poema  um tratamento funk. É a versão que foi gravada por Olivia Hime em seu LP "Estrela da Vida Inteira". Sem qualquer ligação com o texto de Manuel Bandeira, o cantor português Francisco José também lançou um disco intitulado PORTUGAL, MEU AVOZINHO. Em 1965, David Nasser recebeu da Academia de Ciências de Lisboa o Prêmio Camões pelo livro PORTUGAL, MEU AVOZINHO, uma coletânea de artigos sobre a terra de Camões, publicados em "O Cruzeiro" e escritos no ano anterior quando David Nasser esteve em Portugal.
[http://portugal-mundo.blogspot.com/2014/01/portugal-meu-avozinho-com-letra-de.html]

PARTIU IBÉRIA!

Ibéria é o nome pelo qual os gregos conheciam, desde tempos remotos, o que hoje chamamos Península Ibérica. É também é o nome dado à ilha constituída por Portugal e Espanha, antes de sua transformação em península ao se juntar com a Europa, há muitos milhões de anos.
Situada no sudoeste da Europa, a Península Ibérica é formada por Gibraltar, Portugal, Espanha, Andorra e uma pequena fração do território da França.
Portugal e Espanha estão no roteiro turístico (adaptável) que programamos. Nos próximos oito dias, planejamos visitar Lisboa, Coimbra, Porto, Setúbal, Madri e Toledo.
Hoje à noite, estaremos no Aeroporto Pinto Martins para embarcarmos no avião da TAP (voo 36), que nos levará de Fortaleza a Lisboa.
Elba e Paulo Gurgel
"A satisfação está no esforço e não apenas na realização final." ~ Mahatma Gandhi