A ABOLICIONISTA MARIA TOMÁSIA

Filha de uma família tradicional de Sobral (CE), Maria Tomásia Figueira Lima (1826 – 1902) foi para Fortaleza depois de se casar com o abolicionista Francisco de Paula de Oliveira Lima. Na capital, tornou-se uma das principais articuladoras do movimento que levou o Estado a decretar a libertação dos escravos quatro anos antes da Lei Áurea.
Segundo o Dicionário de Mulheres do Brasil, ela foi cofundadora e a primeira presidente da Sociedade das Cearenses Libertadoras que, em 1882, reunia 22 mulheres de famílias influentes para argumentar a favor da abolição.
Ao fim de sua primeira reunião, elas mesmas assinaram 12 cartas de alforria e, em seguida, conseguiram que senhores de engenho assinassem mais 72.
As mulheres conseguiram, inclusive, o apoio financeiro do imperador Pedro 2º para a iniciativa. Juntamente com outras sociedades abolicionistas da época, elas organizaram reuniões abertas com a população, promoviam a libertação de escravos em municípios do interior do Ceará e publicavam textos nos jornais pedindo a abolição em toda a província.
Maria Tomásia estava presente na Assembleia Legislativa no dia 25 de março de 1884, quando foi realizado o ato oficial de libertação dos escravos do Ceará, que deu força à campanha abolicionista no país.
Fonte: http://www.bbc.com/portuguese/brasil-44091469
Nessa pintura da sessão parlamentar que aboliu a escravidão no Ceará, em 1884, é possível ver diversas mulheres entre os homens. Acervo Biblioteca Nacional
Maria Tomásia é hoje nome de uma rua em Fortaleza, no bairro Aldeota.
http://desenroladas.com.br/feminismo/saiba-quem-foram-mulheres-que-dao-nome-ruas-de-fortaleza/
http://www.consultarcep.com.br/ce/fortaleza/aldeota/rua-maria-tomasia/60150170

Nenhum comentário: