A PÉROLA DO JAVARI

Atalaia do Norte é um município do Amazonas situado na região do Alto Solimões, assim como Benjamin Constant e Tabatinga. Por algum tempo, a cognominada "Pérola do Javari" foi subordinada a Benjamin Constant, tendo sido elevada a município com a denominação de Atalaia do Norte, somente em 19/12/1955, pela lei estadual n.º 96.
Anteriormente, de 1890 a 1930, Atalaia do Norte foi o núcleo do povoamento Remate de Males, distrito de Benjamin Constant e sede deste município em dois períodos.
Anísio Jobim, em "Panoramas Amazônicos”, informa que o povoado se originou de uma cabana à margem do Itacoaí (Itaquaí), onde habitava o filho de um oficial superior brasileiro, e que a denominação de Remate de Males foi dada em 1890, pelo maranhense Alfredo Raimundo de Oliveira Bastos, que encontrou neste local relativo bem-estar, resolvendo fixar-se como um remate a seus males. Colocou, então, na fachada de seu barracão o letreiro "Remate de Males", cuja designação se estendeu a todo o lugar.
Embora, aí por volta de 1930, fosse a terceira cidade do Amazonas, Remate de Males desapareceu abruptamente com a passagem dos restos de um cometa, que caíram nas cabeceiras do Javari, onde um de seus gigantescos fragmentos produziu uma cratera de 1 km de diâmetro e um terremoto de 6,5 graus, na escala Richter, registrado no observatório de La Paz.
Resultado: nessa catástrofe, que ficou conhecida como o evento de Curuçá (nome de um afluente do Javari), o barranco de Remate cedeu, e a cidade foi engolida pelo rio Itacoaí, em 12 horas. Sua população fundou a nova Atalaia do Norte e distribuiu-se também por Benjamim Constant.
A palavra "Atalaia" é um sinônimo para guardião ou vigia e ressalta o importante papel desempenhado pela cidade na proteção das fronteiras brasileiras. É a localidade do mais extremo núcleo do Oeste, a guarita da marcha para o Oeste, no dizer de Álvaro Maia, em discurso proferido em 1943.
É a maior reserva de índios isolados do mundo.
http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/dtbs/amazonas/atalaiadonorte.pdf
http://site.mast.br/pdf_volume_1/evento_curuca.pdf
http://periodicos.uea.edu.br/index.php/revistageotransfronteirica/article/view/778/673
===================================================
Atendendo ao convite de um amigo de nome Valdir, funcionário da Funai em Benjamin Constant, fui conhecer Atalaia do Norte, a "Pérola do Javari".
Fomos num sábado para voltarmos no domingo. Em linha reta, Atalaia fica a menos de 30 km de Benjamin Constant, mas não havia, em 1974, uma estrada entre as duas cidades. A única via de acesso era pelo sinusoso Javari.
Tivemos uma viagem agradável, que durou algumas horas, em um "deslizador" (gíria local para pequeno barco com motor de popa) dirigido por meu amigo.
Subindo o rio Javari, com destino a Atalaia, teria sido impossível não termos passado por Islândia. No entanto, eu tomei esta cidade peruana como sendo uma continuidade de Benjamin Constant, já que estava do mesmo lado do rio.
Uma consequência dessa anômala situação: o trecho do rio Javari ao passar por Islândia é completamente peruano, um aspecto geográfico que então eu não sabia. E fico a pensar se não havia o desconhecimento desse fato por parte da Marinha brasileira, cujos navios singravam aquelas águas em demanda de Atalaia e mesmo de pontos mais afastados, como Estirão do Equador e Palmeiras, sedes de dois pelotões do EB à margem direita do Javari.
O "patriotismo" de Atalaia do Norte era digno de nota. Quase tudo por lá ostentava as cores verde e amarela inclusive as placas indicativas das ruas. E a cidade contava com apenas uma médica que não cheguei a conhecer, porque  na ocasião ela se encontrava em Manaus.
Á noite, fomos a um restaurante da cidade, talvez o único, para um jantar ao som do carimbó. O tempo a nosso dispor seria das 18 às 22 horas, por ser este o horário de fornecimento da energia elétrica em Atalaia do Norte.
Um pouco antes da hora prevista para iniciar o blecaute, fomos procurados por alguém: era um emissário do prefeito. Ele vinha nos comunicar que, em caráter excepcional, o gerador da cidade iria funcionar até às 24 horas.
Agradecemos. E imagino que os atalaienses também ficaram gratos pela inesperada prorrogação da luz elétrica em suas casas.

Nenhum comentário: