MEMÓRIA - O PARCEIRO AIRTON MONTE

por Paulo Gurgel
Conheci-o primeiro de ouvir falar. Amigos em comum, frequentadores do "Pombo Cheio", no Parque Araxá, davam-me notícia da existência de um certo Airton Monte, grande apreciador da MPB e que também frequentava o bar. O "Pombo Cheio" era um dos meus pontos favoritos para espairecer e me relaxar das canseiras da Faculdade de Medicina. Naquele local, quase sempre eu estava com Cláudio Costa, violonista da pesada e que inclusive morava perto do bar. Mas não coincidiu, nenhuma vez, de sermos Airton e eu por lá apresentados.
Tampouco na própria Faculdade de Medicina da UFC, onde fomos contemporâneos. Pode ter acontecido o nosso primeiro contato em uma das tertúlias literárias do Grupo Siriará de Literatura, do qual Airton fez parte. Ou, por ocasião dos preparativos para a edição do "Verdeversos", uma coletânea de poesias publicada em 1980. Os coautores do livro nos reuníamos no auditório do então Centro Médico Cearense, a entidade que promoveu a publicação.
Certamente não se deu em função das reuniões havidas para a publicação do "Arsenal de Literatura", cujo número de estreia saiu com um texto meu. Airton Monte fazia parte do conselho editorial da pequena (e efêmera) revista.
Na década de 1980, passamos a nos encontrar com grande frequência nas festas de lançamentos de livros e nos points etílico-culturais da cidade, dentre estes o Estoril. Quando José Alcides Pinto fez a famosa festa para comemorar a aquisição de um piano, em que acompanhei ao violão alguns solos do poeta-flautista Roberto Pontes, lá estávamos Airton e eu. E assim por diante.
No primeiro semestre de 1981, apresentei  um de seus livros de poesias, "Memórias de Botequim", num lançamento feito no Centro de Estudos do Hospital de Messejana. Posteriormente, esse discurso de apresentação do livro foi publicado no informativo "A Ferragista", sob o título de uma "Apreciação Literária sobre Memórias de Botequim".
Numa tarde, fui à residência de Airton. Havia me prometido a doação de um livro por mim longamente procurado, o "Roda Viva", do Chico Buarque. "Desde que o localizasse em casa", disse-me. Por alguma estranha razão, eu colecionava os livros escritos pelo Chico, embora não fizesse o mesmo com relação a seus discos. (Digo estranha razão, porque sempre fui um fã de carteirinha do Chico compositor.) Para sorte minha, o "Roda Viva" foi encontrado. E retribuí a sua cortesia com outro livro do Chico, repetido em minha coleção.
Airton morava num beco. Na continuação da rua Dom Jerônimo, o que fazia dele cidadão do Benfica e cidadão honorário do Otávio Bonfim. Em sua modesta casa havia livros e discos em grandes quantidades. Mas a sorte maior estava por vir.
Estávamos conversando, sentados em cadeiras postadas à frente de sua casa, quando uma moça e um violão apareceram. A moça chamava-se Idalina e o violão era o instrumento de suas primeiras composições. Cantava divinamente, era bonita e também morava no beco de Airton.
Aproveitei a oportunidade para mostrar a ambos algumas canções de minha autoria. Uma delas, ainda sem letra, saiu daquela incômoda situação em um par de horas. Compusemos os três a letra de "Angra de Desejos", que viria a ser classificada para o Festival Crédimus da Canção, em Fortaleza.
Procurando conferir a letra de "Angra de Desejos", que vai ser o motivo de uma outra crônica, encontrei também a de "Sabe Quem Dançou?" (LINK futuro). E sabe quem não se lembrava dela? Eu, que compus com Airton esta segunda e esquecida canção. Permeada de palavras francesas, só a letra certamente vai ficar para a posteridade. Quanto à música, recusa-se a sair dos arquivos da memória.
Abandonei há tempos a boêmia. Mas tenho acompanhado a carreira literária do amigo e colega Antonio Airton Machado Monte, nas folhas de "O Povo". E tenho tomado conhecimento, através de meu irmão Marcelo, da gravidade da doença que aflige atualmente o grande cronista. Levando-o a afastar-se do que ele mais gosta de fazer.
E, por isso, é que há muito tempo eu não escuto aquele grito com que ele me saudava, quando nos avistávamos:
- PARCEIRO!!!
Texto reproduzido no Blog do Marcelo Gurgel

Nenhum comentário: