NO TEMPO DO QUARADOR

Antigamente, as roupas sujas eram molhadas, ensaboadas, esfregadas e expostas ao sol para branquear. Utilizando-se de uma expressão da época: para quarar. (1) Depois, elas eram sovadas, enxaguadas e colocadas no varal (não deste tipo) para que o sol e o vento se encarregassem de enxugá-las. Por fim, iam as roupas ao ferro de passar a brasa para o gran finale de todo o processo.
Caso se tratasse de uma roupa branca, de festa, ficava também algum tempo imersa numa solução de anil, o que conferia à roupa uma tonalidade levemente azulada.
O local em que as roupas eram quaradas era chamado de quaradouro. Comumente, um pedaço de chão cimentado no quintal, algum mato rasteiro ou grandes pedras à beira de um riacho.
Em nossa casa, na Justiniano de Serpa, a tampa de uma cacimba no quintal fazia as vezes do quarador.
O que mudou: hoje é o tempo do "lava, não quara, veste, dispara", como disse o blogueiro. (2) Por isso, quarar e quarador são termos fadados ao olvido (esquecimento). O blogueiro inclusive calcula que o verbo quarar só dure uns dez ou quinze anos mais. O tempo necessário para ser substituído por "vanishizar" ou "vanishizar com 02", sendo este uma subespécie daquele.
Afora a poesia e a música, o que mais poderá evitar que essas duas palavras se transformem em arcaísmos?

Saindo pro trabalho de manhã
o avô vestia o sol do quarador
tecido em goiabeiras, sabiás,
cigarras, vira-latas e um amor.
E o amor ia ao portão pra dar adeus
de pano na cabeça, espanador...
Os netos... o quintal... Vila Isabel...
Todo o Brasil era sol, quarador.
Hoje, acordei depois do meio-dia,
chovia, passei mal no elevador,
ouvi na rua as garras do Metrô.
O avô morreu.
Mudou Vila Isabel ou mudei eu?
Brasil!
Tá em falta o honesto sol do quarador.

2 comentários:

Paulo Gurgel disse...

Transcrevo este e-mail recebido;
Paulo, bom dia!
Obrigada por me fazer ficar atenta, ocupando meu precioso tempo lendo todos estes inteligentes relatos.
Um abraço.
Maria Tereza Cerqueira

Paulo Gurgel disse...

Publicando esta nota como comentário de "Adeus Ferro de Engomar", uma postagem do Luciano Hortencio no Jornal GGN, NO TEMPO DO QUARADOR recebeu, por sua vez, este comentário de Anna Dutra:
Livre associação...
Essa interatividade é interessante! Lendo os comentários de todos e ao me deparar com o "quarador" do Paulo - que eu também conheci; isto está ficando cada vez mais comprometedor!!! - me veio à lembrança uma cena do Primo Basílio em que Juliana reclama que só faz passar a roupa branca da patroa, apaixonada, ávida pelas visitas do primo ... De onde veio isso?
Luciano, tiras leite de pedra!!! Quando, de um ferro de engomar, eu chegaria à roupa branca da apaixonada Luisa???