MANGUEIROSA - 1

Esta foi a nossa sexta estada na cidade de Belém, onde nossa filha Natália, formada em Direito e investigadora da Polícia Civil do Estado do Pará, mora com seu esposo Rodrigo Soares.
Período: 13 a 16/02/2020
Visitantes: Paulo, Elba e o neto Matheus
Caso o leitor queira ler sobre as visitas anteriores que fizemos à capital paraense (com Macapá, Paramaribo e Salinópolis nos roteiros), disponibilizo os links abaixo:
OLÁ, BELÉM
CIDADE DAS MANGUEIRAS
BELÉM E MACAPÁ - 1
BELÉM E MACAPÁ - 2
PARAMARIBO E BELÉM
BELÉM E SALINÓPOLIS - 1
BELÉM E SALINÓPOLIS - 2
13/02, quinta-feira
Partindo com atraso de Fortaleza (devido a uma passageira que teve de desembarcar por problema de doença), e tendo voado em áreas de turbulência, chegamos a Belém às 16 horas. Natália e Rodrigo nos esperavam no aeroporto. O casal reside num apartamento adquirido em 2019, no bairro de Umarizal, e o tem decorado com muito bom gosto, faltando apenas concluir o quarto do futuro herdeiro Renan.
Aproveitei o fim da tarde para dar uma caminhada pelas ruas de Umarizal e Nazaré. Comprei laranjas, refrigerantes sem açúcar e castanhas do Pará, no supermercado Nazaré da Travessa 14 de Março.
(No linguajar de Belém, "travessa" não é uma rua estreita, secundária e transversal a duas ruas importantes, é também uma rua tão importante quanto.)
À noite, fomos jantar no Bar do Parque, ao lado do Teatro da Paz. Um tornedor de filé mignon, um T-bone com baião e fritas, e um filé de peixe gratinado foram os pratos que pedimos, além de sucos diversos.
No Bar do Parque
14/02, sexta-feira
Visita ao Espaço São José Liberto e ao Museu Paraense Emilio Goeldi, o jardim zoobotânico da cidade.
O São José Liberto é o antigo presídio de Belém, que, em 2002 (Governo Almir Gabriel), depois de uma ampla reforma deu lugar ao Polo Joalheiro - Casa do Artesão - Museu de Gemas do Pará - Capela (onde se realizam concertos de música sacra).
Situado no centro de Belém, o Museu Emílio Goeldi é uma amostra da floresta amazônica em meio urbano. Dispõe de pavilhões com aquário, terrário, museu de arte e com utensílios de povos indígenas, e os visitantes podem ver a exuberância das plantas, além de animais presos (onças, jacarés, gaviões, macacos, antas, tartarugas, ariranhas, jabotis etc) e bichos que circulam livremente como cotias e preguiças. Por diversas vezes, tivemos de interromper o passeio nas trilhas do parque por causa da chuva que recrudescia. Numa dessas paradas, fomos nos abrigar no "Castelinho".
No Museu Emilio Goeldi
Inaugurado em 1901 como uma das principais atrações do Parque Zoobotânico, o conhecido "Castelinho" era, na verdade, uma caixa d'água disfarçada. O próprio Emilio Goeldi concebeu a edificação, aproveitando a estrutura elevada para ciar um mirante que permitisse a vista do parque e da rua. A construção simula as ruínas de um castelo, com catacumbas de teto abobadado. O conjunto incluía ainda um lago com vitórias-régias. A visita a esse local logo se tornou um hábito para muitos moradores de Belém, que ali permaneciam até à noite para testemunhar a aberturadas flores da planta aquática.
No período da tarde, após almoçarmos no self service do "Boi Novo", fomos conhecer ao lado o Parque da Residência. Antiga residência dos governadores do Pará, e onde hoje funciona a Secretaria da Cultura, o parque apresenta amplos jardins, coreto, orquidário, uma antiga estação do gasômetro (transformada em teatro), na qual é exibido um vistoso automóvel Cadillac que o governador usava em duas datas específicas do ano. Inteiramente reformado, o modelo em exposição é exemplar único no país.
No Parque da Residência
Antes do dia escurecer, caminhei por mais de uma hora pela Quatorze de Março, até os limites do bairro de Cremação.
E fomos jantar no tradicional "Remanso do Peixe" (que já conhecíamos), ao qual chegamos por um complicado percurso traçado pelo Waze.
(1 de 2)

Nenhum comentário: